PSICOPEDAGOGA CLÍNICA E INSTITUCIONAL
PEDAGOGA / HOSPITALAR

30 anos de experiência em Vida Escolar | Membro da Associação Brasileira de Psicopedagogia - ABPp

Follow me on instagram

Copyrights 2017 © Todos os Diretos Reservados a Denise Aragão

 

AMARELINHA

AMARELINHA

Escolhi a amarelinha como a primeira brincadeira para ativar nossa memória emocional.

Segundo o livro BRINQUEDOTECAManual em educação e saúde, de Gimenes e Teixeira, editora Cortez, a amarelinha é uma brincadeira muito antiga, que tem suas origens da variação do jogo romano de odres, em que os competidores saltavam em um pé só sobre sacos feitos de pele de bode untados com azeite…Imagine o tombo!!! Kkkk…

A história dessa brincadeira é longa, mas vamos nos ater a uma parte dela. Segundo Victor Civita (1978), o grafismo da amarelinha é um dos desenhos mais antigos que se conhece e está gravado do chão do Fórum de Roma. Durante a expansão do Império Romano essa brincadeira ia sendo ensinada na França, Alemanha e na Inglaterra, através da construção de estradas de pedra, unindo o norte do Mediterrâneo e a Ásia Menor.

Seu desenho apresenta inúmeras variações geométricas, numerados sempre de um a dez, com os famosos céu, também encontrados como lua ou cabeça e o inferno, claro!!!!

O nome dessa brincadeira chegou para nós do francês marelle, que na adaptação popular recebeu o nome da cor amarela, mais o grau diminutivo desse substantivo.

Nossos tataratataratataravós riscavam o chão com um pedaço de telha, tijolo, algo possível de escrever e que também servia como “a pedrinha” que era lançada no campo numérico. Foi assim que eu aprendi a fazer. E você?

As vezes usávamos casca de banana até ficar bem preta…Quem lembra?

Nas lojas de brinquedos atuais já se vende amarelinha pronta. Dá só uma olhada na foto. Você pega, dobra e leva para onde quiser. Ah! E é indicada a partir dos quatro anos de idade.

Mas quais os benefícios dessa brincadeira que enquadramos no grupo de exercícios globais?

  • Estimula a percepção de espaço
  • Construção de noção de sequência numérica,
  • Noção de ordem e quantidade,
  • Equilíbrio corporal,
  • Consciência da prática de jogos com regras, portanto de socialização.

Cá pra nós, quem nunca roubou um pedaço de giz da professora para fazer uma amarelinha? Que atire a primeira pedrinha.

Compartilhe
Psicopedagoga, pedagoga, educadora, mãe de menino e menina.
Nenhum Comentário

Deixe um comentário