PSICOPEDAGOGA CLÍNICA E INSTITUCIONAL
PEDAGOGA / HOSPITALAR

30 anos de experiência em Vida Escolar | Membro da Associação Brasileira de Psicopedagogia - ABPp

Follow me on instagram

Copyrights 2017 © Todos os Diretos Reservados a Denise Aragão

 

BOLA NO CHÃO, BOLA NA MÃO, SINAL DE DIVERSÃO

Ordem, seu lugar, sem rir, sem chorar

BOLA NO CHÃO, BOLA NA MÃO, SINAL DE DIVERSÃO

Analua, 1 ano e 10 meses de puro encanto.  Brinca com sua enorme bola vermelha . Ela é a mascote da minha família e merece lugar de destaque aqui no blog. Não dá para falar dos pequenos sem pensar nela.

Do ponto de vista motriz temos alguns dados.

Ela está feliz, concentrada. Chutou a bola com o pé esquerdo, mas segundo sua mãe,  Juliana, há indícios de que ela se definirá como destra.

Antes dos 18 meses o desenvolvimento neurológico dos bebês ainda não está pronto para definir sua lateralidade, mas como Analua já tem 22 meses, é possível perceber sua preferência, mas jamais sua definição.

Vence seu lado mais forte, porque existe uma dominância de um dos lados. Braço forte, perna forte… Não é de se estranhar que durante muito tempo algumas crianças consigam fazer as atividades com as duas mãos. A definição só é plena aos 5 anos de idade, segundo a neurologia.

Destra, canhota ou ambidestra, só o tempo dirá sobre essa bonequinha.

 

Mas e a bola? O brinquedo escolhido para o post?

Desde que o mundo é mundo existe a esfera, nome que damos a essa forma sólida geométrica  que tanto nos diverte.

Existem registros de que a bola, enquanto brinquedo, foi usada na Antiguidade pelos egípcios, gregos, romanos, astecas e pelos povos que os precederam na América Central.

As vezes a coisa nem é tão esférica, mas vira BOLA quando a gente precisa de uma.

E não podemos esquecer da bola de formato oblongo, aquela que tem mais comprimento que largura. A famosa bola de rúgbi e de futebol americano. Elas se parecem na forma mas não no tamanho.

Encontramos bolas de todos os tipos, tamanhos, cores, com e sem enchimento…é bola que não acaba mais!!! Não conheço casa que tem criança ou adolescente sem uma bola para brincar.

Mas tem uma brincadeira que vai deixar muita gente com saudades. Quer ver? Ela tem algumas variações…

 

“ORDEM”- Enquanto bate a bola na parede, vá dizendo as frases dessa parlenda  e cumprindo as ordens:

  1. Ordem.
  2. Seu lugar.
  3. Sem rir.
  4. Sem falar.
  5. Um pé (joga a bola e levanta um pé).
  6. O outro (joga e levanta o outro pé).
  7. Uma mão (pega a bola só com uma mão).
  8. A outra (pega a bola com a outra mão).
  9. Bate palmas (joga e bate palmas).
  10. Pirueta (joga e roda).
  11. Atrás-pra frente (joga, bate palmas nas costas e na frente).
  12. Bate-queda (joga, bate palmas e bate no colo).
  13. Perdão (joga e ajoelha).  Essa parte eu não conhecia.

E aí, lembrou? Então, te desafio a fazer uma lista com 10 jogos e brincadeiras que utilizamos bolas para brincar. Depois vá brincar de ORDEM, sem deixar a bola cair no chão.

 

Compartilhe
Psicopedagoga, pedagoga, educadora, mãe de menino e menina.
2 Comentários
  • Adriana Saraiva
    27 de junho de 2017 at 19:38

    😉
    Muito bom!

Deixe um comentário