PSICOPEDAGOGA CLÍNICA E INSTITUCIONAL
PEDAGOGA / HOSPITALAR

30 anos de experiência em Vida Escolar | Membro da Associação Brasileira de Psicopedagogia - ABPp

Follow me on instagram

Copyrights 2017 © Todos os Diretos Reservados a Denise Aragão

 

BRINQUEDOTECA HOSPITALAR

O brincar terapêutico

BRINQUEDOTECA HOSPITALAR

A brinquedoteca hospitalar tem por objetivo geral a melhoria da qualidade de vida de crianças, adolescentes e seus familiares durante o período de internação.

Uma brinquedoteca no hospital pode mudar completamente o quadro de um paciente em tratamento de saúde, pois ela é um espaço destinado a estimular crianças, adolescentes e seus acompanhantes a brincarem juntos, pois brincar tranquiliza o espírito, distrai a mente, renova os ânimos.

Dessa forma, brincar é coisa séria no ambiente hospitalar, pois o ato em si contribui como uma sessão de terapia.

A Lei n°11.104, de 21 de março de 2005, de autoria da Sra Luiza Erundina de Souza, deputada federal, dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de brinquedotecas nas unidades de saúde que ofereçam atendimento pediátrico em regime de internação.

Ela também faz parte do plano nacional de humanização na saúde.

Os estímulos oferecidos pelo lúdico amenizam o medo que o próprio ambiente de internação desperta nos pacientes. Brinquedos e brincadeiras trazem animação e tranquilidade necessária para encarar a ansiedade e a dor no decorrer do tratamento.

É importante saber que se o paciente não pode ir à brinquedoteca, ela deve ir até seu leito.

Objetivos da brinquedoteca hospitalar

Os objetivos da brinquedoteca hospitalar são:

  • Preservar a saúde emocional, proporcionar alegria e distração no encontro com parceiros.
  • Através de brinquedos preparar a criança para as situações que ela enfrentará.
  • Apresentar a rotina do hospital, como por exemplo trocar bonecas com a cor das roupas dos atendentes, médicos e enfermeiros, utilizar máscaras, seringas, luvas cirúrgicas dramatizando antecipadamente os procedimentos pelos quais o paciente irá enfrentar.
  • Dar continuidade à estimulação de seu desenvolvimento, pois se o tratamento for longo ela se ausentará da escola. Isso poderá acontecer com a ajuda de professor de classe hospitalar.
  • Oferecer um ambiente agradável para o encontro com seus familiares.
  • Preparar psicologicamente a criança para seu retorno ao lar.
  • Fazer da brinquedoteca hospitalar um centro de encontros humanizador.
  • Se a brinquedoteca tiver um porte grande, poderá servir de fonte de pesquisa para os brinquedistas em formação.

Uma brinquedoteca hospitalar requer espaço físico dentro do hospital, preferencialmente no andar de internação infanto-juvenil, para facilitar o acesso.

Se tiver um um pequeno espaço ao ar livre para recreação em dias de tempo bom ou até mesmo um solário, beneficiará tanto os que estão internados, com a luz indireta do sol, quanto os que podem sair para se divertir lá fora.

Foto Arquivo pessoal: Turma Pedagogia Hospitalar – PUC-SP 2015
Classe Hospitalar Hospital São Paulo

Durante a realização do curso de Pedagogia Hospitalar na PUCSP, tive a satisfação de conhecer as brinquedotecas Senninha do Instituto de Oncologia Pediátrica GRAAC (foto em destaque no post), do Hospital AC Camargo, Casa HOPE e a do Hospital São Paulo ( foto acima), bem como o trabalho de suas coordenadoras e professoras de suas classes hospitalares.

Apoio: Livro Brinquedoteca Hospitalar, Isto é Humanização,  Drauzio Viegas, Ed. WAK.

Foto em destaque – Brinquedoteca Senninha no GRAAC.

Compartilhe
Psicopedagoga, pedagoga, educadora, mãe de menino e menina.
Nenhum Comentário

Deixe um comentário