PSICOPEDAGOGA CLÍNICA E INSTITUCIONAL
PEDAGOGA / HOSPITALAR

30 anos de experiência em Vida Escolar | Membro da Associação Brasileira de Psicopedagogia - ABPp

Follow me on instagram

Copyrights 2017 © Todos os Diretos Reservados a Denise Aragão

 

DEPRESSÃO NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA

A doença do século

DEPRESSÃO NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA

A depressão é uma doença mental que atinge todas as pessoas, independente da situação financeira, idade, sexo ou etnia.

Em 2013, o transtorno acometia  2% das crianças em idade escolar, aumentando a frequência para 6% no caso de adolescentes, de acordo com o psiquiatra Dr Gustavo Teixeira, em seu livro Manual dos Transtornos Escolares.

Uma criança deveria ser feliz sempre, da mesma forma como os adolescentes deveriam sofrer apenas de amor ou com as mudanças hormonais que modificam o corpo e os humores, naturais das transformações da puberdade. Mas não é assim que acontece.

CAMPANHA “VAMOS CONVERSAR”

Por estar no topo da lista de causas de problemas de saúde mundial, a OMS – Organização Mundial da Saúde, lançou próximo ao Dia Mundial da Saúde,  7 de abril de 2017, a campanha “ Vamos conversar”.

De acordo com a OMS, cerca de 50 milhões de pessoas que viviam nas Américas, em 2015, estavam com depressão. Isso quer dizer que cerca de 5% da população mundial estava doente. É muita gente! E a coisa só vem aumentando.

O objetivo da campanha é alertar as pessoas com depressão no mundo inteiro, para que busquem e obtenham ajuda o mais rápido e de maneira mais eficiente possível, uma vez que a falta de cuidados leva ao agravamento psíquico e físico.

DEPRESSÃO NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE

De acordo com a OMS, a depressão é um transtorno mental comum, caracterizado por tristeza persistente e uma perda de interesse por atividades que as pessoas normalmente gostam, acompanhadas por uma incapacidade de realizar atividades diárias por 14 dias ou mais. Ela pode estar acompanhada de ansiedade.

Em crianças e adolescentes é possível perceber tristeza, solidão, falta de motivação, humor instável, irritabilidade, falta de memória, isolamento, falta de concentração, choro fácil, lentidão de raciocínio e consequentemente rebaixamento das notas.

Além disso, há queixa de cansaço excessivo, sono, dores pelo corpo, baixa autoestima, pensamentos de morte e automutilação, principalmente na adolescência.

CAUSAS DA DEPRESSÃO

As causas são multifatoriais, ou seja, oriundas de  influências genéticas, associadas a fatores bioquímicos, hormonais e ambientais.

O cérebro contém substancias químicas denominadas neurotransmissores, que por estarem alteradas nesse transtorno mental, dificultam as sinapses químicas cerebrais.

Em casos de pais depressivos, aumentam em três vezes as chances do filho desenvolver esse transtorno.

DESCONFIO QUE ELE ESTEJA DEPRESSIVO. O QUE FAZER?

Geralmente o encaminhamento para um especialista parte do pediatra que acompanha o desenvolvimento da criança e do adolescente.

O tratamento  requer acompanhamento de um médico psiquiatra infantil, associado à psicoterapia.

Se for necessário, a introdução de antidepressivos será determinada pelo psiquiatra após avaliação da gravidade do problema,  caracterizada como  depressão leve, moderada ou grave.

A análise é clínica, ou seja,  realizada através da escuta apurada do médico, daquilo que responsável e paciente relatam.

Além do acompanhamento do médico psiquiatra e de psicoterapia semanal com  psicólogo ou psicanalista, é fundamental identificar o que é  estressante ao indivíduo,  afins de orientar a conduta de pais e professores, como parte do tratamento.

IMPORTANTE: o diagnóstico diferencial e as práticas de acolhimento psicológico são fundamentais no combate à medicação desnecessária, principalmente nessa fase de desenvolvimento do ser humano.

Se você conhece algum jovem que encontra-se deprimido e está em tratamento, faça aqui o relato.

Você estará ajudando outras pessoas através de seu depoimento.

Gostou do post? Compartilhe.

Obrigada e até o próximo.

Denise Aragão – Psicopedagoga

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhe
Psicopedagoga, pedagoga, educadora, mãe de menino e menina.
4 Comentários
  • Diana Martinez
    22 de outubro de 2017 at 21:39

    Boa tarde, sou Diana.
    Eu moro en Brasil já 3 anos. Últimamente eu estou com depresão sem ánimos de Fazer nada, començo a Fazer alguna atividade e não consigo terminar. Isso començou desde Agosto neste ano, depois de chegar das ferias da Colômbia. Não sei que aconteçe comigo, aveces tenho mal genio ou fico con muitas ganas de chorar.

  • IARA HAND
    25 de outubro de 2017 at 19:34

    Denise, excelente artigo. Parabéns. Já compartilhei!!

Deixe um comentário