PSICOPEDAGOGA CLÍNICA E INSTITUCIONAL
PEDAGOGA / HOSPITALAR

30 anos de experiência em Vida Escolar | Membro da Associação Brasileira de Psicopedagogia - ABPp

Follow me on instagram

Copyrights 2017 © Todos os Diretos Reservados a Denise Aragão

 

SONO, APRENDIZAGEM E MEMORIZAÇÃO

O que dizem as pesquisas

SONO, APRENDIZAGEM E MEMORIZAÇÃO

A relação entre SONO, APRENDIZAGEM e MEMORIZAÇÃO está intimamente ligada a uma boa noite de sono tranquilo e ininterrupto.

Os laboratórios do sono são enfáticos na constatação de que a qualidade e quantidade de sono, influenciam diretamente na consolidação de conhecimento e reestruturação da memorização de conteúdos antigos e na formação de novos.

Psicopedagogicamente falando, a Neurociência na Educação também se debruça sobre o assunto, reconhecendo que alguns processos são ativados apenas durante o sono e precisam de “zero” estimulo sensorial para acontecerem.

Imagem Pixabay

Estamos falando de altas concentrações de cálcio nas regiões intracelulares dos neurônios, no hipocampo e córtex cerebral, além de genes que codificam proteínas fundamentais na modelagem sináptica. (Sidarta Ribeiro, Andrea Delandes e Valter Fernandes, 2015). Tudo isso se faz durante as fases de vigília ou REM, dormindo profundamente.

Não é só a atividade intelectual relativa a aprendizagem de novos conhecimentos que se consolida. A memória motora e espacial também se obtém dormindo.

FASES DO SONO

O esquema abaixo mostra “o que” e “quando” o nosso cérebro guarda na memória, daquilo que selecionamos durante o dia, e que será armazenado satisfatoriamente ou não, enquanto dormimos:

Imagem Denise Aragão

Imagine toda a demanda das nossas Funções Executivas sem uma boa noite de sono? Só pode dar pane!

PENSANDO SONO, APRENDIZAGEM E MEMORIZAÇÃO NOS DIAS ATUAIS

Quando uma criança ou jovem chega na clínica com queixa de dificuldades escolares, uma das primeiras perguntas que fazemos é a respeito da sua qualidade e quantidade de sono.

Se é adolescente, a resposta é sempre a mesma: “Durmo tarde e acordo muito cedo para ir à escola. Só acordo mesmo perto da hora do recreio.”

E os motivos também são óbvios: “ Fico jogando online, nos grupos de Whatsapp com meus amigos ou vendo vídeos do Youtube no celular.”

Imagem Pinterest

 

Especialistas no assunto esclarecem que alguns hábitos noturnos desregrados podem ser altamente prejudiciais aos nossos jovens em idade escolar.

SITUAÇÕES PREJUDICIAIS AO APRENDIZADO

Veja algumas situações que NÃO favorecem em nada o aprendizado.

  • Dormir menos de oito horas quando se tem de 5 a 12 anos. O ideal seria dormir de oito a dez horas seguidas para completar as cinco fases do sono com tranquilidade, garantindo a qualidade na memorização do aprendizado e o descanso da mente.

 

  • Acordar ao meio-dia, coisa que adolescente adora! Na verdade, eles realmente dormem mais na puberdade, influenciados pelo fator hormonal. Mas cá entre nós, pesquisas provam que as melhores horas para aprender é pela manhã, por causa da baixa temperatura do corpo, do ambiente luminoso e da mente descansada…quando se dorme, claro!

Imagem Pinterest

  • Trocar o dia pela noite é uma grande besteira, mas é cada vez mais constatado nas entrevistas com pais e pacientes adolescentes com dificuldades de aprendizagem. Os hormônios liberados durante a noite estimulam o sono na fase REM, justamente a hora de consolidar informação.

 

  • Sono fragmentado em bebês e crianças em fase escolar. Além de tudo o que foi falado, é necessário lembrar que o hormônio do crescimento também atua durante a noite, enquanto os pequenos dormem. Criar a rotina do sono noturno é fundamental e imprescindível principalmente a partir de um ano de idade, quando eles ficam mais ativos e demoram mais a dormir.

 

Sendo assim, melhor caprichar na conversa, estabelecer regras e combinados com a garotada.

Boa sorte e muita firmeza…rs.

Abraços

Denise Aragão – Psicopedagoga

Apoio: https://www.methodus.com.br/artigo/9/dormir-para-aprender-%28tecnicas-de-memorizacao%29.html.

http://www2.uol.com.br/vivermente/noticias/dormir_bem_e_fundamental_para_o_aprendizado.html  Esta matéria não está mais disponível na íntegra.

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhe
Psicopedagoga, pedagoga, educadora, mãe de menino e menina.
Nenhum Comentário

Deixe um comentário